A primeira gravadora independente a se dedicar exclusivamente à música instrumental brasileira.

Legitimar a independência no estúdio foi o objetivo por trás do sonho do casal Walter Santos e Teresa Souza, donos do Nosso Estúdio. Uma resposta séria aos autoritários “palpites” dos produtores nos anos 1980. O casal primava pela liberdade do artista em sua criação. A escolha dos instrumentos, arranjadores e duração da faixa eram prontamente atendidos para proporcionar um ambiente favorável ao músico.

Walter e Teresa participaram ativamente do período bossa-novista no Rio de Janeiro e mudaram-se para São Paulo ainda atuando como compositores e intérpretes do estilo carioca. Anos depois, a necessidade os levou à música publicitária, em que traçaram uma carreira bem-sucedida capaz de gerar conhecimento técnico e capital para criação do Nosso Estúdio. A partir dele nasceu uma pequena gravadora, o selo Som da Gente (ou “Sonho da Gente”, como costumava ser chamado).

Ao longo de 11 anos passaram pelo Nosso Estúdio, localizado à rua Bocaina, 72, no bairo paulistano de Perdizes, nomes como o de Hermeto Pascoal (gravou cinco discos importantíssimos, sendo que um, o sexto, ainda é inédito), os grupos Medusa e D’Alma, os Osvaldinhos (da Cuíca e do Acordeon), Cama de Gato, Roberto Sion e Tetê Espíndola, responsáveis pela formação do acervo de mais de 40 títulos.

Felipe Missali (20/04/2011)

SELO FONOGRÁFICO

Som da Gente (1981-1992)

Clique no disco escolhido para acionar o jukebo

O selo Som da Gente, ativo entre os anos de 1981 e 1992, foi criado e gerenciado pelo casal de compositores Walter Santos e Teresa Souza. A empresa produziu, ao todo, 46 discos exclusivamente instrumentais, que representam uma parte bastante significativa dos lançamentos daquele segmento, no período. A partir de um amplo levantamento bibliográfico e da realização de entrevistas com músicos e profissionais envolvidos na história do selo, procurou-se construir um extenso panorama da sua atuação, desde a escolha do cast até a divulgação e distribuição dos discos, no Brasil e no exterior, passando pela relação que se estabeleceu entre os artistas e os empresários.

Analisando esses dados e incorporando-os em uma interpretação daquele momento específico do mercado fonográfico brasileiro, este trabalho pôde verificar o comportamento do selo num período de transição da estrutura de organização global desse mercado, no sentido da adoção de um sistema aberto de produção, em que a relação entre pequenas e grandes gravadoras tende a migrar de um cenário onde predomina a atuação autônoma – a chamada produção independente – para um cenário onde o predomínio é de uma atuação complementar entre elas – as pequenas gravadoras produzindo estreitamente vinculadas às grandes.

Baixe o texto completo da tese aqui

Navegue no Youtube

DISCOGRAFIAS: ARMAZÉM MEMÓRIA


TUDO GEOPOLÍTICO

Geopolítica é a congruência entre demasiados grupos de estratégias adotadas pelo estado para administrar seu território, e anexar a geografia cotidiana com a história. Desta forma, Geopolítica é um campo de conhecimento multidisciplinar, que não se identifica com uma única disciplina, mas se utiliza principalmente da Teoria Política e da Geologia e Geografia ligado às Ciências Humanas e Ciências Sociais aplicadas. (Wikipédia)