Bem vindos e bem vindas ao nosso acervo virtual. Boa Pesquisa

QUEM SOMOS / COMO USAR

QUEM SOMOS

quem-somos-Marcelo-Zelic_220O Armazém Memória é uma iniciativa de articulação e construção coletiva de um portal na Internet, visando colaborar para o desenvolvimento de políticas públicas, que possam garantir ao cidadão brasileiro o acesso à sua memória histórica, através de Bibliotecas Públicas Virtuais interligadas em um sistema de busca direto no conteúdo.

A construção deste acervo digital tem o objetivo de integrar os inúmeros esforços de guarda, acesso e resgate da memória ligada à história social, política e a luta popular que vivenciamos em nosso país, sendo ao mesmo tempo um desafio para o estabelecimento de uma cidadania plena e o fortalecimento da justiça de transição, buscando na troca de experiência e conhecimento entre as gerações, um país mais justo e respeitador de direitos para todos os brasileiros e brasileiras.

Reunimos de forma digital arquivos, fundos e coleções de documentos, periódicos, recortes de jornais, guias de fontes, mapas, depoimentos, artigos, livros, teses, vídeos, áudios e imagens; obras de natureza histórica, jurídica e educativa com foco nos direitos humanos, cujo conteúdo é de interesse público, sendo patrimônio cultural brasileiro por ser obra científica portadora de referência à identidade, ação e memória de diferentes grupos formadores da sociedade brasileira, nos termos dos art. 216, III, da Constituição Federal da República.

Estas memórias e registros sob guarda de parceiros, membros das diversas redes de conteúdos, são agrupadas em bibliotecas inteligentes, através de Centros de Referência Virtual, Filmotecas, Coleções de Imagens e Acervos Pessoais onde a sua principal função é disponibilizar o conteúdo completo dos documentos sob guarda de arquivos públicos, privados, de organizações sociais e acervos pessoais, totalmente indexados e interligados através da tecnologia DOCPRO, criando condições para que a memória histórica do povo brasileiro, que resistiu e resiste a tantas adversidades, fique acessível à cidadania para consulta e estudo de forma livre e gratuita na internet, fomentando a pesquisa em universidades, escolas, casas de cultura, entidades civis, organizações sociais e centros de formação populares espalhados pelo país.

Entendemos ser importante empreender uma ação cultural a partir destas memórias para a efetivação da justiça de transição no Brasil e o conceito do Armazém Memória é um facilitador desta ação, pois garante o acesso tanto a documentação produzida pelo Estado brasileiro, como à versão popular sobre fatos de nossa história, expondo um traço importante da identidade cultural do brasileiro, que é a resistência à opressão e às violências sofridas há várias e várias gerações, favorecendo a busca do direito à memória, verdade, justiça e reparação.

Os projetos estão em constante elaboração visando a inclusão de novos conteúdos nas diversas sessões do portal, a ampliação da rede de conteúdo e o volume de material indexado nas bases de pesquisa nos Centros de Referência Virtuais existentes.

O Armazém Memória é um trabalho que se estrutura em rede, onde o portal na Internet é a soma dos esforços de uma ação coletiva de pessoas e instituições interessadas em preservar, catalogar, disponibilizar e construir uma política pública de acesso à memória nacional e uma ação de direitos humanos a partir da memória histórica.

Nossos agradecimentos a todos e todas que desde 2001 colaboraram de alguma forma com nosso trabalho  e aos trabalhadores e trabalhadoras arquivistas, que cotidianamente, muitas vezes de forma silenciosa, proporcionam esse encontro de um país com sua memória histórica.

Em especial saudamos o professor Jaime Antunes da Silva, ex-diretor do Arquivo Nacional, o mais longevo deles, cuja dedicação à preservação e acesso à memória nacional foi de grande inspiração para o trabalho que estamos realizando, tanto pelo exemplo do zêlo e ética no trato da memória de nosso país, como pela formação que nos proporcionou ao longo do período em que atuamos na construção do projeto Memórias Reveladas.

Muitas são as tarefas. Participe conosco.

Marcelo Zelic

Coordenador do Armazém Memória

 

COMO USAR

Em construção. Vamos montar uma playlist com tutoriais em vídeos e embedar. Aguarde.

Por enquanto, tendo dúvidas, fale conosco.

Ajuda DocReader Light - COMO PESQUISAR from Luciano Cezareto on Vimeo.

CENTROS DE REFERÊNCIA

Pesquise no centro temático de seu interesse.

Brasil Nunca Mais

Documentos sobre a ditadura civil-militar de 1964-1985.

9 bibliotecas com 1.460.454 páginas.

Indígena

Documentos sobre os povos indígenas e a relação com a sociedade.

16 bibliotecas com 1.075.663 páginas.

Luta pela Terra

Documentos sobre questão agrária e a luta camponesa no Brasil.

4 bibliotecas com 26.992 páginas.

Movimento Sindical

Documentos sobre sindicatos e a Central Única dos Trabalhadores.

5 bibliotecas com 35.224 páginas.

Criança e Adolescente

Documentos sobre os direitos da criançra e do  adolescente no Brasil.

3 bibliotecas com 7.658 páginas.

Paulo Freire

Biblioteca sobre educação libertadora e pedagogia freireana.

1 biblioteca com 5.614 páginas.

Reforma Sanitária

Documentos sobre a saúde no Brasil e o Sistema Único de Saúde.

6 bibliotecas com 10.278 páginas.

Sugestão de Acervo

Envie sugestões de conteúdos para novas inclusões em nossos centros.

marcelozelic@gmail.com

A história é um profeta com o olhar voltado para trás: pelo que foi, e contra o que foi, anuncia o que será.

Eduardo Galeano

FILMOTECAS

Conheça os canais desenvolvidos no Youtube pelo Armazém Memória, increva-se neles e entre para nossa comunidade.

Povos Indígenas do Brasil

Videoteca Paulo Freire

Cinemateca Popular Brasileira

Acervo Virtual da Anistia

Videoteca Gregório Bezerra

deOlho TV - Edu Viola

Memórias do Cangaço

Canal Armazém Memória

COLEÇÕES DE INTERESSE

Bibliotecas de apoio. Conteúdos disponibilizados na internet pelas instituições de guarda.

Hemeroteca Digital Brasileira

59.023.183 páginas

Manuscritos

1.381.628 páginas

Coleções de Várias Instituições

136.279 páginas

Museu do Índio

625.421 páginas

Anais de Várias Instituições

57.205 páginas

Coleção Documentos Históricos

45.374 páginas

Revista Conjuntura Econômica

111.851 páginas

Cordelteca

41.412 páginas

Folclore

157.070 páginas

Hemeroteca RADIS (1980-2013)

283.451 páginas

Registros Paroquiais de Terras RJ

11.004 páginas

FOTOGRAFIAS

Álbuns e Coleções

Paulo Freire - Educar para Transformar

Exposição organizada pelo Instituto Paulo Freire no âmbito do Projeto Memória patrocinado pela Fundação Banco do Brasil. 18 Fotos. (2005)

Slides para Alfabetização

Slides para alfabetização com Método Paulo Freire do projeto-piloto do PNA em Santa Catarina. União Catarinense de Estudantes. 32 fotos. (1964)

Projeto Brasil Nunca Mais

Exposição organizada pelo CEDIC da “Para que nunca se esqueça, para que nunca mais aconteça.” Dom Paulo Evaristo Arns. 44 Fotos. (2011) 

Mãos Anônimas

Homenagem aos trabalhadores anônimos que fizeram as cópias de todas as 900 mil páginas dos 710 processos do Superior Tribunal Militar. As imagens foram recolhidas pelo Armazém Memória durante os trabalhos para publicação do BNM Digital. O operador do xerox deixou suas mãos registradas em uma página que dizia:

“Para realizar-se cada um depende dos demais. Solidariedade. 14/05/1968 Tempestade Mental – Conscientização”. 13 Fotos. (2013) 

BNM - Fotografias dos Processos

Em 2005 o Armazém Memória ao organizar o Centro de Referência Virtual Brasil Nunca Mais, realizou a digitalização das fotografias do projeto BNM sob guarda do Arquivo Edgard Leuenrouth em Campinas. As fotografias contidas nestes 6 álbuns, fazem parte do acervo do projeto Brasil: Nunca Mais doado por Dom Paulo e Jaime Wright à Unicamp nos anos 80.  166 fotos. (2005)

Cartazes da Anistia

Esta coleção reúne de forma digital cartazes produzidos durante a luta pela Anistia de 1979. 59 fotos.

Caravanas da Anista

A coleção reúne o registro fotográfico das Caravanas da Anistia, atividade pedagógica realizada pela Coissão de ANistia do Ministério da Justiça, iniciada em 2008. Documenta 77 eventos realizados.  + de 13 mil fotos.

Tribunal Russell II

Sobre a repressão na América Latina.  233 fotos.

Capas do Jornal Porantim

O mais antiigo jornal publicado no Brasil em defesa da causa indígena, editado pelo Conselho Indigenista Missionário (CIMI).  333 fotos.

Relatório Figueiredo

Esta coleção é formada das fotografias anexas ao processo que investigou a situação dos povos indígenas no Brasil entre 1967-1968. 139 fotos.

Mapoteca Digital

Coleção de mapas antigos organizados cronologicamente. 98 fotos.

Cartazes da Luta pela Terra

Coleção de cartazes do acervo do Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra e Centro Pastoral Vergueiro. Organizado em ordem cronológica. 122 fotos.

Terra

Exposição do fotógrafo Sebastião Salgado. 45 fotos.

25 Anos do MST

Exposição comemorativa dos 25 anos do Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra. 25 fotos.

Cartazes do Movimento Sindical

Coleção de cartazes da Centro de Documentação e Pesquisa Vergueiro (CPV). 73 fotos.

DISCOGRAFIAS

ACERVOS PESSOAIS

Cidadania e história. Nossa homenagem aos que não se curvaram frente a injustiça e opressão.

Antonio Cotrim Soares

Indigenista, trabalhou na Fundação Nacional do Índio entre o final dos anos 1960 e início dos 70, quando denunciou o extermínio da população indígena brasileira e se demitiu. 

Rômulo Gonçalves

Advogado, ex-presidente da OAB regional Goiás no início da ditadura militar, defendeu centenas de presos políticos e denuciou a tortura no país. Ficou conhecido como Dr. Liberdade.

Edu Viola

Compositor, poeta, músico, ator, diretor musical em teatro e cinema, é também liutaio e luthier. Participou do movimento de contra-cultura nos anos 1960-70. Segue criando.

Raul Amaro Nin Ferreira

Engenheiro e militante político, foi assassinado sob tortura em 11/08/1971 pelo regime militar. Seus familiares lutaram por gerações para desvendar seu assassinato. Conseguiram em 2013.

PROJETOS REALIZADOS

Conheça projetos ligados a justiça de transição desenvolvidos pelo Armazém Memória.

BRASIL NUNCA MAIS DIGITAL

O projeto BNM Digit@l traz para a era virtual o acervo do histórico Brasil: Nunca Mais, desenvolvido nos anos oitenta pelo Conselho Mundial de Igrejas e a Arquidiocese de São Paulo. Antes recluso aos arquivos em papel e em microfilme, disponíveis apenas para os pesquisadores com possibilidade de ir a Campinas, Brasília ou ao exterior, esse valioso material passou a ser acessível de qualquer lugar do planeta. Realizado em parceria com o Instituto de Políticas Relacionais e o Ministério Público Federal.

ACERVO VIRTUAL DA ANISTIA.

Este portal vem de encontro à necessidade de promovermos em nosso país um processo de educação pela memória histórica, visando o fortalecimento da democracia e de nossas instituições, para que no Brasil possamos aprofundar a justiça de transição e superar de vez as praticas golpistas e repressoras enraizadas na cultura e prática de vários setores da nossa sociedade. Ditadura nunca mais. Realizado em parceria com o Instituto de Políticas Relacionais e a Comissão de Anistia do Ministério da Justiça.

MEMÓRIA INTERÉTNICA

O Centro de Referência Virtual Indígena, tem por meta contribuir para a construção de mecanismos de não-repetição da violência registrada contra os povos indígenas no  relatório final da Comissão Nacional da Verdade publicado em 10/12/2014 no capítulo indígena, bem como estimular processos de reparação, criação da Comissão da Verdade Indígena e o cumprimento das demais recomendações apontadas no relatório. Realizado em parceria com o Instituto de Políticas Relacionais com apoio da Embaixada Real da Noruega.

Memória Ativa

O acesso à memória é fundamental para a efetivação da justiça de transição em países como o Brasil, que vive de forma recorrente ciclos econômicos de desenvolvimento, embasados em ações violentas promovidas pelo Estado brasileiro. A memória histórica não é somente a base para a busca da verdade sobre fatos e esclarecimentos de violências, mas também desvelam nos registros de arquivos o modo como agem agentes públicos e setores sociais para a impor seus modelos e desejos de forma autoritária. Enxergar esses mecanismos criados para a sustentação e ocultação da violência e opressão do Estado, é antidoto para combater a sua repetição no presente e permite o fortalecimento da democracia, através da criação de mecanismos distintos que favoreçam a não-repetição das graves violações de direitos humanos presentes no Brasil. A pesquisa histórica também é fonte de documentação probatória para se buscar na Justiça a reparação devida pela violência sofrida, individual e coletiva, fortalecendo o respeito aos direitos constitucionais, à cidadania, os direitos humanos e a efetivação da justiça de transição para a superação deste modelo excludente e autoritário, que insiste em executar na gestão do Estado tais práticas, ferindo a democracia em nosso país.

MEMBRO DA REDE ARQUIVÍSTICA

ARQUIVO NACIONAL

Oficinas, Lives e Palestras

Buscamos promover a relação do presente com o passado para que a memória histórica, em sendo pesquisada, sirva para a melhoria da vida de todos e todas com base nos direitos humanos.

Pesquisas

Para processos judiciais e de reparação; livros e cinema.

Criação de Sites

Portais e sites responsives para internet e canais do Youtube.

Digitalização

De arquivos, fundos e coleções com a tecnologia DOCPRO.

Consultoria

Para processos de disponibilização de acervos.

FALE CONOSCO

Para críticas, sugestões, dúvidas, pedidos de oficinas, palestras, informações, solicitação de serviços, indicação ou doação de acervos e colaboração.

Visite a Exposição

REALIZAÇÃO

APOIO

PRÊMIO EM DIRETOS HUMANOS – DHNET

DESENVOLVIDO POR ARMAZÈM MEMÓRIA

COORDENAÇÃO: MARCELO ZELIC

marcelozelic@gmail.com

TECNOLOGIA