Levantamento mapeia origem de povos detidos no Reformatório Krenak e na Fazenda Guarani. Região abrigou campo de concentração e centro de tortura da Ditadura.

A sistematização de registros históricos, combinada com pesquisas de novos documentos e depoimentos, possibilitou a organização, pela primeira vez, de um mapa que indica a origem dos indígenas detidos no Reformatório Agrícola Krenak e, depois de 1972, na Fazenda Guarani, ambos em Minas Gerais. O Krenak funcionou como um campo de concentração de indígenas e um centro de torturas, conforme detalha o capítulo Violações de direitos humanos dos povos indígenas do Relatório Final da Comissão Nacional da Verdade (CNV).

Entre os documentos reunidos pelo grupo responsável por investigar os crimes cometidos durante a Ditadura há denúncias gravíssimas envolvendo ambos os centros e também a Guarda Rural Indígena, além de relatos completos que incluem o nome dos responsáveis por tais violações. A visualização das migrações forçadas de indígenas de diferentes regiões para as duas unidades de detenção foi desenvolvida como parte do projeto Cartografia de Ataques Contra Indígenas (Caci). Para visualizar detalhes sobre as transferências basta passar o cursor sobre os pontos conectados aos dois presídios. O mapa explicita que a política de perseguições, detenções ilegais e tortura de indígenas não foi algo isolado, mas sim uma prática que afetou pelo menos 23 povos diferentes. Caci significa dor em Guarani.

Acesse o dossiê completo aqui.