UNI

União das nações indígenas

 

 

Primeiro encontro nacional da UNI realizado em Brasília de 07 a 09 de junho de 1982. Ocorreu dois anos após os estudantes indígenas da Universidade de Brasília lançarem a criação da União das Nações Indígenas (Unind). A entidade nacional acabou por ser criada em 19 de junho de 1980 após três dias de reunião em Campo Grande (MS), com representantes de diversas etnias de várias partes do país presentes no encontro. [imagem Revista Manchete 1982]

 Compartilhe

ESPECIAL

UNIÃO DAS NAÇÕES INDÍGENA

O Centro de Referência Virtual Indígena apresenta uma série de páginas especiais contendo retratos da violência sofrida e da resistência dos povos indígenas, que reúne em uma linha do tempo documentos destacados do Armazém Memória, compondo esses registros com mostra de filmes, exposição, artigo e sugestões de leitura, abrindo uma janela para se olhar  a história, através da relação entre o acervo reunido e o tema proposto. Visitar a história recente nos ajuda a compreender o presente em que vivemos, bem como a justeza da luta dos povos indígenas do Brasil, por demarcação de suas terras e respeito a seus direitos constitucionais, como também a necessidade histórica de reparação às violências sofridas pelos povos indígenas a cada ciclo de desenvolvimento empreendido pela sociedade brasileira, o estado nacional e seus governos de turno.

APRESENTAÇÃO

O primeiro número da série Retratos da Violência reúne em uma linha do tempo documentação de nossa história recente sobre o genocídio indígena praticado no Brasil, cobrindo um período que vai dos anos 1940 a nossos dias

São registros que reunidos demonstram a constância das graves violações de direitos humanos sofridas pelos povos indígenas, apontando para uma prática permanente de desenvolvimento sem respeito à diversidade étnica e cultural existente no país e realizada por nossa sociedade e o Estado brasileiro, através da imposição de legislações e uso da força, promovendo assassinatos, chacinas, massacres, mortandade por doenças e gerando dor, penúria, desassossego e sofrimento junto às comunidades indígenas por todo o país, para a apropriação de seus territórios por setores economicos que controlam e executam um modelo excludente de desenvolvimento em sociedade, voltado para o acúmulo e a conquista de riquezas.

O especial traz também a exposição “Respeito ou Repetição? A história que não se quer reviver”  organizada pela 6ª Câmara do Ministério Público Federal durante a gestão do Subprocurador-Geral Antonio Carlos Bigonha, além de artigo do coordenador do Armazém Memória e curador da exposião, a mostra de filme “Ditadura e Povos Indígenas” organizada durante os trabalhos da Comissão Nacional da Verdade e sugestão de leitura de cinco livros que aprofundam o tema proposto neste especial.

Veja a matéria no jornal Mensageiro sobre a UNI.

Leia a entrevista com o líder Guarani Marçal de Souza Tupã-i sobre a União das Nações Indígenas no jornal Borduna editado pela Comissão Pró-Índio (RJ).

Participação indígena na Assembleia Nacional Constituinte – Manifesto contra os decretos de extermínio

Encontro promovido pela UNI entre Milton Nascimento e os Ashaninka. Desta experiência surge o álbum TXAI.

Mostra de cinema indígena que ocorreu em São Paulo 1992.

LINHA DO TEMPO e MAPA

EXPOSIÇÃO

ARTIGO

Artigo publicado por Marcelo Zelic no relatório 2020 do Conselho Indigenista Missionário (CIMI) sobre a violência contra os povos indígenas no Brasil, com “uma análise sobre a utilização, feita pelo atual governo, de conceitos já superados para restringir os direitos indígenas”.

Relatório – Violência Contra os Povos Indígenas no Brasil

Dados 2019

MOSTRA

UNI - indígenas em movimento

Esta mostra virtual de filmes organizada pelo Armazém Memória em 2021, reúne 8 filmes sobre a UNI e os movimentos indígenas em busca de reconhecimento e justiça.  O resgate histórico da União das Nações Indígenas tem como objetivo relembrar tantas lutas já travadas pelos povos indígenas e os processos para construção de uma grande frente nacional e, acima de tudo, toda resiliência destes que suportaram, enfrentaram e resistiram à ditadura e tantas outras barbaridades com sua gente, sem abaixar a cabeça em defesa de suas terras e a favor de sua cultura e modo de vida no Brasil.

Visitar a história da União das Nações Indígenas é recordar os que atuaram e os que morreram atuando, é também reconhecer a importância destes para todo avanço da luta indígena, é entender a capacidade dos povos indígenas para construção da justiça social e por respeito.

O Centro de Referência Virtual Indígena, tem por meta contribuir para a construção de mecanismos de não-repetição da violência registrada contra os povos indígenas no Capítulo Indígena do Relatório Final da Comissão Nacional da Verdade, publicado em 10 de dezembro de 2014, bem como estimular o cumprimento de suas recomendações.

Desde esta data, dia em que se comemora a Declaração Universal dos Direitos Humanos, não-repetição, verdade, justiça e reparação, base da justiça transicional, são oficialmente devidos pelos poderes da República (Executivo, Legislativo e Judiciário) aos povos indígenas que existem no Brasil.

Convide seus parentes, amigos e amigas a assistirem esta mostra e contribua para a justiça de transição compartilhando o especial UNI em suas redes.

Aos Ventos do Futuro (Hermano Penna 1989) - UNI (União das Nações Indígenas)

O filme documenta a ação política do Movimento Indigenista durante o período de transição política que resultou na instalação da Nova República. Produção: UNI (União das Nações Indígenas). Direção: Hermano Penna SP/1986/45’/Documentário

Fruto da Aliança dos Povos da Floresta (Siã Huni Kuin 1987) - Documentário

Fruto da aliança dos povos da floresta é um registro histórico de um dos momentos políticos mais efervescentes do Acre, no final dos anos 1980, quando seringueiros e índios mobilizaram-se se com vistas a um mesmo fim: livrarem-se do regime seringalista e obterem autonomia, através da demarcação de terras indígenas e da criação das Reservas Extrativistas. As sequências do filme vão estabelecendo relações internas de um conjunto de enunciados que situam o vídeo no contexto de um momento histórico-político de mudanças importantes para os povos dafloresta, tendo como ápice o registro da morte de Chico Mendes. Direção e fotografia: Siã Huni Kuin. Produção: ASKARJ, União das Nações Indígenas – UNI. São Paulo: CEDI – Setor de Imagens. 1 VHS (25 min)

Raoni (Jean Pierre Dutilleux e Luiz Carlos Saldanha 1978) - Documentário

O filme acompanha a luta do cacique Raoni pela preservação do Parque nacional do Xingu, ameaçado por grileiros, caçadores e madeireiras. Lançado internacionalmente com narração de Marlon Brando (inglês) e Jacques Perrin (francês). Ganhador de 5 prêmios no Festival de Cinema de Gramado (incluindo Melhor Filme), eleito Melhor Documentário no Festival Internacional de Cinema de São Francisco, e indicado ao Oscar de Melhor Documentário Direção: Jean Pierre Dutilleux e Luiz Carlos Saldanha Filme realizado pela França/Bélgica/Brasil, 1978

Os direitos indígenas na Constituinte

O documentário, produzido entre 1987 e 1988, relata a mobilização dos índios em Brasília, no contexto da Assembleia Constituinte de 1988, e a luta para que seus direitos fossem assegurados na nova Constituição. Realização: Conselho Indigenista Missionário (Cimi) Apoio: Coordenadoria Ecumênica de SErviço CESE Produção: Vídeo Lontra

Índio Cidadão? (Rodrigo Arareju 2014) - Documentário

O filme apresenta resgate histórico audiovisual da participação do movimento indígena na Assembleia Nacional Constituinte (1987-88) e entrevistas com memórias dos coordenadores da União das Nações Indígenas – Ailton Krenak e Álvaro Tukano – e de lideranças que participaram ativante dessa mobilização como Davi Kopenawa, Mario Juruna, Moura Tukano, Paulo Paiakan, Pirakumã Yawalapiti e Raoni Metuktire. O momento marcante desse processo é a intervenção de Ailton Krenak no Plenário em defesa da emenda popular com a proposta de capítulo dos direitos dos Povos Indígenas.

Índios no Poder (Rodrigo Arajeju 2015) - Documentário

Mario Juruna, único índio parlamentar na história do país, não consegue se reeleger para a Constituinte (1987/88). Sem representante no Congresso Nacional desde a redemocratização, as nações indígenas sofrem ataques aos seus direitos constitucionais pela bancada ruralista. O cacique Ládio Veron, filho de liderança Kaiowa e Guarani executado na luta pela terra, lança candidatura a deputado federal nas eleições 2014 sob ameaças do agronegócio.

União das Nações Indígenas (UNI - 14/11/1989)

Propaganda de televisão produzida pela União das Nações Indígenas (UNI), entidade de defesa dos direitos dos povos indígenas do Brasil dos anos 1980.

ESPECIAIS

Um resgate coletivo da história. Catálogo.

Memória Interétnica: Centro de Referência VIrtual Indígena

acervo

Genocídio Indígena: Violência Continuada

retratos da violência

Exposição: Respeito ou Repetição?

exposição

UNI - União das Nações Indígenas

resistência indígena

Mostra: O Índio Imaginado (1992)

mostra de cinema

conflitos territoriais

PELA CRIAÇÃO DA COMISSÃO DA VERDADE INDÍGENA

com rede solidária de pesquisa e trabalho colaborativo

Para Saber Mais

Coletânea de livros que abordam a tragetória do movimento Indígena ao longo da história. Com foco nos movimentos promovidos pela UNI.

UNI - BREVE INVENTÁRIO DE DOCUMENTOS E MATÉRIAS DE JORNAIS

Esta lista não esgota as ocorrências sobre documentos disponíveis no Armazém Memória e outras fontes que tenham referência à UNI. Ela reúne a documentação em ordem cronológica e a medida em que as pesquisas em curso localizam um documento ou citação, é acrescido ao catálogo, portanto está em constante atualização.

    

1970-1979 - Antecedentes Históricos

2000-2009
2010-2020

Your content goes here. Edit or remove this text inline or in the module Content settings. You can also style every aspect of this content in the module Design settings and even apply custom CSS to this text in the module Advanced settings.

Rede de Conteúdo

Instituições que compartilham conteúdos neste Centro de Referência.

Realização

Este trabalho é parte do contrato firmado pelo Instituto de Políticas Relacionais (IPR), com embaixada da Noruega e coordenação executiva do Armazém Memória, para o desenvolvimento do projeto “Ampliação do Centro de Referência Virtual Indígena”. 

Apoio

Equipe

Instituto de Políticas Relacionais

Daniela Greeb

Vanessa

Silvana

Ruth Negrini

Carla Lopes

Armazém Memória

Marcelo Zelic

Julio Zelic 

 

Observatório dos Direitos e Políticas Indigenistas (UnB) 

Elaine Moreira

Ana Catarina Zema

Guilherme Pinheiro Alves

Museu da Pessoa 

Rosana Miziara

Renato Herzog

Sônia London

Jonas Worcman

Idjahure Kadiweu

Coletivo Indígena de Pesquisa

Braulina Aurora

Povo Baniwa

Debora Barros dos Santos

Povo Tupinikim

 

Iury da Costa Felipe

Povo Magutta – Tikuna

 

Juliana dos Santos Santana

Povo Tupinambá 

João Paulo Hakuwi Kuady Karajá

Povo Karajá (Iny Mahadu)

 

Suliete Gervásio Monteiro

Povo Baré

Parceiros

O projeto de ampliação do Centro de Referência Virtual Indígena do Armazém Memória conta também com a participação de instituições e entidades, através de termos de cooperação firmados para as três áreas de atuação dos trabalhos. 

Desenvolvido por Armazém Memória em WordPress. Contato: marcelozelic@gmail.com