Minha relação com a terra baiana, vem de longa data. Estou com 64 anos de idade e aos 15anos, estava lá na Bahia fotografando, com uma máquina fotográfica rudimentar, as crianças de Alagados e apreendendo um pouco de capoeira, com mestre Pastinha, que introduziu a capoeira na Bahia, com quem fiz grande amizade. Já naquela época freqüentava o terreiro de mãe menininha, por quem tive grande admiração e era devoto. Fui assíduo freqüentador da casa de Walter Smetak aprendi muito com ele e fomos muito amigos. Conhecia a teoria dele dos micros tons, ajudei ele a fazer aqueles instrumentos com cabaça, e levava seus filhos a praia.Fiz registros em fotos e vídeos super 8, de trabalhos com o corpo na yoga ou na dança. Fui  amigo de Lia Robato e de  Rolf Gelewski ,da casa Sri Aurobindo. também  fiz trabalhos de vídeo e super 8 com  Clide Mogan convivi  Intimamente com Mario Cravo e Caribé. Tenho depoimentos, a  meu respeito por parte de amigos íntimos, como: Dorival Caymmi, Jorge Amado, Caetano, Gil, Osmar Macedo, Gal Costa, Moraes Moreira e Raul Seixas. Em 68, quando Caetano Veloso e Gilberto Gil tiveram permissão de fazer a última apresentação no teatro Castro Alves Gil cantava aquele abraço, todo de branco, no teatro Castro Alves, eu estava lá. Em seguida estive com eles, no Exílio em Londres. Em 72 tomava banho de mar no Porto da Barra com Gal Costa, jogava futebol com Gil em Itapoá na rua M,  fui e seu  vizinho e em Itapuã. A convivência com os Novos Baianos, e Raul Seixas era muita íntima e intensa, e cheguei a morar com eles. Freqüentava a casa de mestre Didi. para fotografar  os seus trabalhos à pedido de Gil.Quando em 74, trio elétrico e Osmar,saiu as ruas após 65 anos de ausência  das ruas de  Salvador eu  estava lá, lá em cima dele, com outras personalidades da música como, Pepeu Gomes, Gil e Edson Sete Cordas, Acompanhei também  as micaretas pelo interior da Bahia. Morei com Janes Joplin, em Arembepe frequentei as festas de São João em Cachoeira, estive por várias vezes em Santo Amaro da Purificação  onde conheci Roberto Mendes. Convivi com Rogério Duarte Capinan Patinhas, Rizerio e Jorge Alfredo. Aprendi muito com Pierre Verger, do qual sou fervoroso admirador participei de inúmeras festas de largo, lavagens, participei de festas,como do dia 2 de fevereiro, dia de Iemanjá e lavagem do Bomfim, conheci e sou fã da grande irmã Dulce, assisti o doloroso incêndio do Mercado Modelo. Quando João Gilberto, depois de dezoito anos de moradia em Nova York, de volta ao Brasil, fez Show no teatro Castro Alves com a apresentação de Vinicius de Morais,estava eu lá fotografando e gravando o espetáculo. E no mesmo teatro  em uma outra época fiz uma  belíssima exposição denominada Bem- Te- Vi do Gilberto Gil com as fotos do Gil e seu universo e parceiros e músicos com quem ele tocou. Todos os discos dele, na  exposição estavam disponíveis e sendo tocados fazendo ambientação sonora na  do espaço. Me sinto Baiano de alma e coração “ Eu  vim da Bahia”. Fotografei o Pelourinho antes e depois e da sua restauração,   se não fotografei “as  365 igrejas uma boa parte delas retratei. Sou conhecedor e da culinária Baiana. E grande parte da localidades do litoral e do interior baianos, fui um dos primeiros a chegar e a residir em localidades como Arempebe e Trancoso e Arraial da Ajuda quando eram habitados por nativos, quando estive em Porto Seguro, nem estrada tinha, era de barro, mas lá estava eu, chegando entre um atoleiro e outro, para retratar o que é hoje um grande pólo turístico da Bahia. Fiz muitas orações em Cabrália, local da primeira missa no Brasil. E conheci e retratei os remanescentes de aldeia indígena, que ali residiam. Fazia compras em águas dos meninos, e em Nazaré das Farinhas  e (feira do Caxixi), Feira Santana, mercado Sete Portas, Baixa do Sapateiro, e mercado Modelo. Retratei a cidade alta e baixa, dormi ao relento na lagoa do Abaeté,para fotografar o dia nascendo. Fui manteria de página inteira nos jornais. A Tarde e a Tribuna, quando entrei com o meu trabalho na internet, as praias do Forte, de Buraquinho e todas da linha verde tinham a minha presença constante, assisti muitos espetáculos na Vila Velha,no teatro Castro Alves e no Ikiba, sai nos filho de gandi por duas vezes, vir  surgir novos valores da MPB baiana e acompanho sua trajetória até hoje. Frequentei o Iate clube e tomava banho no porto da Barra.