ABOLIÇÃO, 1988, Rio de Janeiro, RJ.

Sinopse: “Cem anos após a assinatura da Lei Áurea, que aboliu (pelo menos em lei), o regime da escravatura no Brasil, pairam no ar inúmeras interrogações sobre o que foi feito do negro durante esse tempo em que pouco ou nada se falou desse tema. E quando se falou, foi menos para resolver, que para apaziguar contradições antagônicas acumuladas durante anos” – texto de Salgado Maranhão, extraído da fita de vídeo do filme.

 

Ficha técnica: pre: Jerônimo Cesar de Freitas; dir e rot: Zózimo Bulbul; asd: Flávio Leandro; pqs: Zózimo Bulbul e Anya Sartor; dip: Reinaldo Coser; asp: Moema Soares, Torres Júnior, Chico Drumond, Luiz Paulo e Maria Elisa; fot: Miguel Rio Branco; fca: Walter Carvalho e Vantoen P.Júnior; stl e asc: Sérgio Leandro, Vantoen P.Júnior, Nélio Ferreira, Bernardo e Henrique Santos; snd: Emanoel Guilherme; elt: Otávio de Souza, Arnol Conceição e Artur Nowak; mqn: Renato Silva; dar: Fernando Pimenta; fig: Biza Vianna; cnt: Deusa Dehenis; mtg: Severino Dadá; cpr: Minc-Ministério da Cultura, Cinematográfica Equipe e Embrafilme; lab: Líder Cinematográfica; p&b/colorido, 35mm, 150 min, gen: documentário. ptc: Grande Otelo, Camila Amado, Otávio III, Sérgio Maia, Selmo Goldmacher, Marcos Novaes, Luizi Weber Cozer, Paulo Weber Cozer, Cristina Isidoro, Reinaldo Coser.

Comentários de Antônio Leão da Silva Neto: Documentário abordando a causa do negro no Brasil, em comemoração dos cem anos de abolição dos escravos (1888-1988). Estréia do ator carioca Zózimo Bulbul (1937- ) na direção de longa metragem. Como ator, havia estreado em 1962 no episódio “Pedreira de São Diogo”, do filme Cinco vezes favela. Desenvolveu longa carreira no cinema como ator, na maioria das vezes defendendo a causa do negro do Brasil. Entre outros, participou de Ganga Zumba (1964), Terra em transe (1967) e A deusa negra (1978). Está um pouco afastado da vida artística.

Prêmios: Melhor Fotografia (Miguel Rio Branco) e Prêmio Especial de Pesquisa, XXI Festival de Brasília do Cinema Brasileiro, DF, 1988; Melhor Cartaz, XI Festival del Nuevo Cine Latino americano de Havana, Cuba, 1989; Melhor Documentário, Festival Latino Film in New York, USA, 1989, além de ter participado do III Anual Festival de Filme Africano Diáspora Contemporâneo, New York, USA, 1995 e XV Festival Panafricano de Cinema e TV de Ovagadougou, Burkina Faso, África, 1997. (fop: f-13)

Fonte: Dicionário de Filmes Brasileiros / Antônio Leão da Silva Neto.